sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Te beijo e te calo


Te beijo e te calo. Emudeço em minha boca todas as tuas palavras. Engulo-as. Engasgo-me. Antropofagia da língua, do verbo, do adjetivo, do substantivo. Mordo teu sentimento. Te seguro pela nuca. Te prendo ao meu corpo como a água ao copo. Esvai-se na minha frente. Escorrega do meu peito. Tuas pernas, sem pena, te levam, te fogem, te carregam. Permaneço. Padeço. Desconheço qualquer outra alma que, num jogo de almas, brinque com a minha, como a tua. Desconheço a existência de almas. Fico como quem não fica. Como quem te segue. Como quem te observa. Fico sem querer ficar. Sem querer voltar. Mas me calo. Engulo minhas palavras. Secas. Sem saliva. Sem nada. Mordo meu sentimento, antes que tua boca o leve.

4 comentários:

Bruno Oyarzabal disse...

A namorada deve ter gostado. Eu, não.

Nícolas Poloni disse...

Acho que nem ela gostou.

coioteflores disse...

achei demais. mandarei pra namorada. a minha. quando tiver uma. mas daí assino e finjo que é meu. o texto, fique claro.

Thiago disse...

bem ruim mesmo